do mudo para o falado.


Crepúsculo dos Deuses
(sunset blvd., dir.: billy wilder, 1950)
starstarstarstarstar

Um filme que não passa incólume a nenhum cinéfilo que se prese e, como disse o Vlademir, de atração imediata. O tema da transição mudo-falado é perfeito sem deixar o filme temático. Sua metalinguagem ácida também. São ambos componentes, personagens, nesse filme noir classudo. O trágico é a cereja do bolo. Bônus: Gloria Swanson vive aqui uma das personagens mais incríveis de todo o cinema americano.


Cantando na Chuva
(singing in the rain, dir.: stanley donen & gene kelly, 1952)
starstarstarstarstar

“Cantando na Chuva” é tão ácido quanto “Crepúsculo dos Deuses”, mas vem em um embalagem tão colorida e dançante que parece inofensivo. Talvez essa seja a parte “ácida metalinguagem” dessa obra-prima que ao mesmo tempo que traz todos os caracteres de um grande filme hollywoodiano tem em seus coadjuvantes personagens com o tempo de ribalta se esgotando.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s