bastardos inglórios

basterds

Obrigado Inácio Araújo mais uma vez, porquê de fato “vigor” é a palavra para Tarantino. Os filmes do diretor exprimem um amor pelo cinema sem-número. Se o cinema de Quentin Tarantino traz técnicas belíssimas, em nenhum momento é possível assistir uma preocupação com a casca.

Em “Bastardos Inglórios”, o mais pop dos diretores coloca o cinema acima de tudo. Acima da história. Também o usa (literalmente) como arma.  Nunca é panfletário. E quanto do filme é político? Quase nada. muito muito pouco; o inevitável.

Novamente o diretor tira interpretações maravilhosas de seu elenco, de ponta a ponta. Atores quase todos pouco conhecidos pelo cinema mundial. A cena inicial, com um extenso diálogo entre um oficial nazista e um campônes que protege judeus, traz duas. A primeira, de Christoph Waltz,  que se estende por toda a projeção (não é possível dizer que há um melhor momento, a performance do alemão é de uma constância exemplar, o tipo de vilão que ao mesmo tempo cativa amor e ódio, ao mesmo tempo e com alguma culpa). A segunda, de um francês iniciante chamado Perrier LaPadite, é intensa, exibe a mesma tensão que Quentin aplaca na platéia, até perder o fôlego, com as palpebras tremendo. Lindo.

Ainda temos Brad Pitt, mostrando mais uma vez que precisa de bons papéis, Diane Kruger, sintética e exata, e a francesa Mélanie Laurent, a interpretação feminina do filme, a vingadora das constantes dos Tarantinos, criando uma personagem que alcança o esperado para uma personagem em desequilibrio.

A última cena pode ser vista como um epílogo, a justificativa que muda o sentido do adjetivo do título. A cena conclusiva, a no cinema, portanto, fecha o filme em um ensaio de insanidade, com direito a risos estriônicos. E com o perdão do paradoxo, toda essa insanidade é muito sã. A primeira seriedade na filmografia de Quentin Tarantino, não poderia e não deveria passar disso. É o vigor de não deixar descansar o próprio cinema.

bastardos inglórios (inglourious basterds, 2009, dir.: quentin tarantino) starstarstarstarstar

Anúncios

Uma resposta para “bastardos inglórios

  1. Pingback: Diretores: Quentin Tarantino « no escuro e vendo·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s