doze homens e uma sentença

imagem

Atemporal, pelo menos enquanto formos seres-humanos. Doze homens (próximos e concretos como poucos saberiam fazer) trancados nos próprios egos, todos em possibilidade de erro  (mostrado e genialmente atenuado por Sidney Lumet: em um filme sobre humanos não podem existir heróis).

Sobre como certezas não existem para qualquer ser-humano, sobre como somos voláteis em maioria, mas como nos tentamos imóveis no púlpito. Que todos temos injustiças e preconceitos. Que não admitimos dúvidas e nos acreditamos.

Também um bom manifesto sobre a pena de morte, mas apenas também. Quase nada filme-de-julgamento.

Não reduzir o que é grande.

Doze Homens e Uma Sentença (Twelve Angry Men, 1957, dir.: Sidney Lumet) large-red-starlarge-red-starlarge-red-starlarge-red-starlarge-red-star

Anúncios

3 Respostas para “doze homens e uma sentença

  1. Se alguém disser que Lumet é gênio, é por causa desse filme. Ele tem outras obras-primas, mas isso aqui é ‘maior’.

    Direção e atuações perfeitas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s